A morte do poeta

Este poemário
deixa-me despido
como a um internauta com webcam;
deixa-me indefenso
como a um cidadão perante a sua entidade bancária.
A minha vida como poeta
terminou.
Estou morto.

Os versos assemelham-se a um corpo
quando cai

JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

113

Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de usuário. Ao continuar no site está a consentir a utilização das cookies e a aceitação da nossa política de cookies. ACEPTAR

Aviso de cookies