Tradição literaria

Nem se move, nem se nota, nem traspasa

Com o frio põe-se-me
pequena
e acanhada
encolhidinha, moldável e amorosa
como uma minhoca perante a morte.
Nessa posição, indefensa,
gosto de acariciá-la,
sentir o seu tacto,
as suas cartilagens gelatinosas
abeiradas entre as mãos
até que, pouco a pouco,
com o calor do sangue,
recobra a força indomesticável
e aborrecida
que a predispõe
para o sexo.
Para o verso.

Louvre_Paris

Move-se, nota-se, traspassa

Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de usuário. Ao continuar no site está a consentir a utilização das cookies e a aceitação da nossa política de cookies. ACEPTAR

Aviso de cookies